Prefácio

Declaração do Ministério
Ligonier sobre Cristologia

Quem é Jesus? Quase toda pessoa adulta já formou alguma opinião sobre Jesus. Essas opiniões podem ser superficiais, desinformadas ou totalmente heréticas. A verdade sobre Jesus, não a mera opinião, é importante… e é eternamente importante.

Aqueles que carregam o nome de cristão professam seguir a Cristo como seus discípulos. Eles dispõem de uma cristologia– uma doutrina de Cristo –que reflete a visão que têm de Cristo. Essa cristologia poderá ser articulada de modo implícito ou explícito. Ela poderá refletir a profundidade da revelação bíblica e da reflexão cristã histórica sobre as Escrituras ou poderá ser uma inovação sem ligação com a Palavra de Deus. Mas nenhum cristão professo não possui uma cristologia.

Como seguir a Cristo é central ao cristianismo, a Igreja trabalhou por séculos para proclamar o Cristo da história e da Escritura, não o Cristo de nossas imaginações. Em declarações de fé históricas, como o Credo de Nicéia, a Definição de Calcedônia, o Catecismo de Heidelberg e a Confissão de Fé de Westminster, cristãos têm articulado o ensino bíblico sobre Cristo.

Atualmente, essas declarações são frequentemente negligenciadas e mal compreendidas, o que resulta em uma confusão generalizada sobre a pessoa e obra de Cristo. Para a glória de Cristo e a edificação de seu povo, a Declaração do Ministério Ligonier sobre Cristologia busca resumir a cristologia histórica, ortodoxa e bíblica da Igreja cristã em uma forma que é simples de confessar, útil no ensino da fé duradora da Igreja e capaz de servir como uma confissão comum que poderá ser usada para crentes de diferentes igrejas se unirem em missão. Essa declaração não é um substituto para os credos e confissões históricas da Igreja, mas um complemento que articula o ensino coletivo dos credos e confissões sobre quem Cristo é e o que ele realizou. Que Cristo a use para o seu Reino.

No nome do Filho encarnado de Deus, nosso Profeta, Sacerdote e Rei,

R.C. Sproul
Primavera 2016